sábado, 24 de maio de 2008

Polegarzinha

Polegarzinha

Era uma vez uma mulher que não tinha filhos.
Ela sonhava em ter uma menininha, mas o tempo havia passado e o seu sonho não se tornou realidade.
Então, ela foi visitar uma feiticeira, que lhe deu uma semente mágica.
Assim que chegou em casa, ela plantou a semente num pote de flor. No outro dia, a semente se tornou uma adorável flor, parecida com uma tulipa.
A mulher beijou delicadamente bem no meio das pétalas da flor. E como um passe de mágica, a flor abriu e desabrochou completamente e dentro dela saiu uma minúscula menina do tamanho de um dedo polegar. A mulher decidiu chamá-la de polegarzinha.
Para ser a cama de polegarzinha, a mulher prepararou uma casca de noz, pétalas de violeta como colchão e pétalas de rosas como cobertor.
Um dia, ela brincava em um barco de pétala de tulipa, flutuando do prato de água. Usando dois rabos de cavalo como remos, Polegarzinha velejava no seu pequeno lago, cantando e cantando com a sua voz doce e delicada.
De noite, quando ela havia adormecido em sua cama de noz, uma grande rã espiava através de um buraco na janela, enquanto ela olhava para Polegarzinha, disse:
- Como ela é bonita ! Seria uma noiva perfeita para o meu querido filho.
Então, ela raptou Polegarzinha com noz e tudo e fugiu pelo jardim, sem ninguém ver.
De volta a lagoa, o seu filho gordo e feio, que sempre fez o que a sua mãe lhe mandava fazer, ficou muito satisfeito com a escolha.
Mas a sua mãe estava receosa, de que sua linda prisioneira escapasse, assim carregou Polegarzinha para fora da água e colocou-a numa folha de lírio no meio da lagoa.
- Ela agora nunca poderá escapar, disse a rã para o seu filho.
- E nós teremos bastante tempo para preparar uma nova casa para você e sua noiva.
Polegarzinha foi deixada sozinha. Ela ficou desesperada. Ela reconheceu, que nunca poderia escapar, pois, duas rãs horrendas lhe esperavam. Tudo o que ela poderia fazer era chorar.
Contudo um ou dois peixes, que desfrutavam, debaixo da água, da sombra da folha de lírio, ouviram por acaso a conversa das duas rãs e a menininha amargurada soluçando. Eles decidiram fazer alguma coisa.
Então, eles mordiscaram a haste do lírio até que ele quebrou e foi levado por uma correnteza fraquinha.
Uma borboleta dançante teve uma idéia:
- Jogue-me a extremidade de seu cinto ! Eu lhe ajudarei a mover-se um pouco mais rapidamente !
Polegarzinha agradeceu e assim a folha foi se afastando da lagoa da rã.
No entanto, outros perigos lhe aguardavam.
Um Besouro grande arrebatou Polegarzinha com seus pés fortes e levou-a a sua casa no alto de uma árvore frondosa.
- Ela não é linda ? Disse aos seus amigos.
Mas ele acharam ela muito diferente. Assim o besouro examinou-a melhor e decidiu deixá-la livre embaixo da árvore.
Era verão, e Polegarzinha vagueou sozinha entre flores e através de um longo gramado. Alimentava-se de polén e bebia gotas de orvalho.
No entanto, a estação chuvosa chegou trazendo o mau tempo. A pobre menina sofreu muito para encontrar alimento e abrigo. Quando o inverno ficou intenso ela sentiu muita fome e frio.
Um dia, enquanto Polegarzinha vagava desamparada sobre os prados descampados, encontrou-se com uma grande aranha que prometeu lhe ajudar.
A aranha examinou a menina dentro de uma árvore oca e trancou a porta com um fio de teia bem resistente.
Então, trouxe-lhe algumas castanhas secas e chamou os seus amigos para virem admirar a beleza de polegarzinha.
Mas, como os besouros, ele acharam a menina muito estranha e persuadiram a aranha a mandá-la embora.
Muito triste e acreditando que ninguém a quis, porque era muito feia, Polegarzinha partiu da casa da aranha.
Enquanto vagava, tiritando de frio, de repente, viu uma casa de campo pequena, feita de galhos mortos. Esperançosamente, bateu na porta e quem atendeu foi um rato do campo.
- O que você faz aí fora com esse tempo ? ele perguntou. - Entre aqui e aqueça-se.
A casa do rato do campo era confortável e acochegante, ele tinha estocado alimentos para o inverno.
Para o seu sustento Polegarzinha fazia o trabalho doméstico e contava estórias para o rato.
Um dia, o rato do campo disse, que um amigo estava vindo visitá-los.
- É uma toupeira muito rica e tem uma casa encantadora. Ele possui uma esplêndida pele preta, mas é terrívelmente míope. Necessita de companhia e gostaria de se casar.
Polegarzinha não gostou da idéia. Entretanto, quando a toupeira chegou, ela cantou tão docemente, que ele ficou apaixonado por ela.
A toupeira convidou Polegarzinha e o rato do campo para visitá-lo, mas para a sua surpresa e horror tinha uma andorinha dentro do túnel, que parecia estar morta.
A toupeira cutucou o seu pé e disse:
- Isso eu vou ensinar a ela! Ela deveria ficar no subsolo ao invés, de ficar movendo-se sobre o céu o verão todo.
Polegarzinha ficou chocada por tais paralavras cruéis. Mais tarde ela rastejou desapercebida no túnel e todos os dias a menininha ia cuidar e alimentar a andorinha.
Nesses momentos, a andorinha contou a Polegarzinha a sua história. Por causa de um espinho entalhado, ela tinha sido incapaz de acompanhar os seus companheiros em busca de um clima mais morno.
- Muito gentil da sua parte cuidar de mim, disse ela a Polegarzinha.
Mas, na primavera, a andorinha foi embora, depois de oferecer-se para levar a pequena menina com ela.
Durante todo o verão, Polegarzinha fez de tudo para evitar de se casar com a toupeira. A pequena menina temia ter que viver para sempre no subsolo.
No dia do seu casamento, ela pediu para passar um dia inteiro no ar aberto.
Delicada como a pétala de uma flor, ela ouviu uma canção familiar:
- O inverno já está chegando e eu vou embora para as terras mornas, venha comigo Polegarzinha.
Polegarzinha subiu rapidamente nas asas do seu amigo andorinha, e o pássaro subiu ao céu. Voaram sobre planícies e montes até que alcançaram um país das flores.
A andorinha colocou delicadamente Polegarzinha em uma flor.
Lá encontrou-se com um rapazinho minúsculo, como ela, mas com asas brancas: O Rei dos Flores.
Imediatamente, ele pediu que ela se casasse com ele. Polegarzinha ansiosamente disse "sim", e as asas brancas imediatamente surgiram nela, e ela se transformou na Rainha das Flores!
************************************************************************
Tarzan

Numa noite de tempestade, perto da costa da África, um homem usou um barco a remo para salvar sua esposa e seu bebê de um naufrágio. Logo alcançaram a praia de uma ilha próxima e construíram uma casa em uma árvore para abrigar-se.
Nenhum outro ser humano vivia naquela ilha, cuja selva estava cheia de animais.
Um dia, uma gorila chamada Kala desgarrou-se do seu grupo. Ela estava muito triste, pois tinha perdido seu bebê para o maior inimigo dos gorilas, o leopardo fêmea Sabor.
Foi então que Kala ouviu o choro de outro bebê e, seguindo o barulho, encontrou a casa da árvore. Bastou apenas uma olhadela para ver que a maldita Sabor tinha passado também por ali.
Kala sabia que aquela criaturinha que deveria ter uma família, pois encontrou o retrato dos pais, precisava de cuidados.
Então aconchegou-a com bondade em seus braços fortes.
Quando Kala voltou para casa, os outros macacos olharam espantados para o pequeno humano.
- O que é essa coisa esquisita? - resmungou Terk, a filha de Kala.
- É um bebê - disse Kala. - Agora vou ser mãe dele também.
E, com cuidado colocou o bebezinho nos braços de Terk.
- Ele não é igual a nós! - exclamou Kerchak, o chefe dos gorilas.
- Ele é um perigo para nossa família. Você tem de devolvê-lo!
Mas Kala já estava muito apegada ao bebê e acabou convencendo Kerchak a deixá-la ficar com a criança. Deu-lhe o nome de Tarzan.
Um dia, quando tinha cinco anos, Tarzan provocou sem querer o estouro de uma manada de elefantes.
Zangado, Kerchak reclamou de Tarzan, dizendo a Kala que ele jamais se adaptaria.
Tarzan ficou chateado e com raiva de Kerchak. Ficou também muito triste por perceber quanto era diferente dos outros gorilas. Kala logo compreendeu o sofrimento do filho. Com muito carinho, mostrou-lhe que, por dentro, eram iguais. Era isso que importava.
Tarzan estava decidido a provar seu valor a Kerchak. Queria ser o melhor gorila do mundo. Com os hipopótamos, aprendeu a nadar. Com os macacos, a se balançar nos cipós. Observando o chifre do rinoceronte, teve a idéia de criar uma ferramenta especial: uma lança.
Um dia Kerchak travou uma grande batalha com Sabor. A fera assassina estava quase vencendo a luta quando Tarzan chegou para ajudar o gorila.
Derrotou Sabor e salvou Kerchak.
Os gorilas ficaram muito contentes! Kala estava orgulhosa. Finalmente, Kerchak aceitava Tarzan como membro da família!
De repente ecoou pela selva um barulho terrível e nunca antes ouvido: tiros!
Kerchak imediatamente conduziu sua família para um lugar seguro. Mas Tarzan ficou curioso. Correu para ver de onde tinha vindo aquele "trovão"
Ficou chocado quando viu três criaturas muito parecidas com ele. As criaturas eram o professor Porter, sua filha Jane e o guia deles, Clayton. Os Porters tinham vindo para a África estudar gorilas.
Então Jane foi atacada por um grupo de babuínos. Tarzan logo pulou num cipó para salvá-la!
Tarzan queria falar com Jane também. Pegou suavemente no queixo da moça e finalmente os dois se apresentaram.
Kerchak ordenou a Tarzan que ficasse longe daquelas criaturas estranhas e barulhentas. Mas Tarzan queria saber mais a respeito delas.
No acampamento dos humanos, Tarzan aprendeu muitas coisas.Tarzan ensinou-lhes a dizer "Jane fica com Tarzan" na língua dos gorilas.
Kerchak estava furioso com a atitude de Tarzan, levando os humanos para ver os gorilas.
Os bebês macacos adoraram Jane!
Mas Kerchak os atacou e Tarzan o segurou para que os humanos fugissem.
Kala então resolveu contar a verdade levando Tarzan à casa da árvore para que ele soubesse da sua origem e pudesse escolher: viver com os macacos ou com os humanos.
Tarzan escolheu Jane!
E todos assistiram à partida do amigo. Estavam mais tristes do que zangados.
A bordo do navio, Tarzan teve uma surpresa desagradável. Clayton assumiu o comando e deixou-os todos prisioneiros.
Quando soube do plano para capturar macacos, Tarzan deu um grito terrível.
Os amigos da selva vieram todos ajudar Tarzan a salvar os gorilas das garras de Clayton. Jane e Porter também vieram ajudar os amigos.
De repente Clayton atira em Kerchak. Antes de morrer se desculpa e pede ao filho que cuide da família, porque de agora em diante, ele seria o grande líder. E assim todos ficaram juntos e viveram felizes para sempre.

Nenhum comentário: